Pesquisar este blog

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Médico adota capacete para tratar assimetria da cabeça de bebês.

Cerca de 12% das crianças nascem com plagiocefalia posicional, e 3% delas merecem algum tipo de intervenção. Este caso que estou mostrando para vocês é de uma grande amiga minha e essa repostagem saiu no portal R7. Queria pedir para vocês divulgarem em seus blogs porque é uma doença muito pouco conhecida e divulgada, as vezes podemos ter o problema em casa e nem ter notado.
 

miguel barros
Miguel Barros, hoje com 9 meses de idade, usou o capacete e ficou curado


Os pais de Miguel Barros, hoje com 9 meses de idade, já haviam percebido uma certa assimetria na cabeça do filho mas só descobriram que isso poderia ser um problema quando o menino estava com 5 meses. Assistindo a um programa de televisão, a psicóloga Lívia da Silva e o marido, o técnico de manutenção Leonardo Barros, ficaram sabendo da plagiocefalia posicional, doença que deixa a cabeça do bebê torta e  desproporcional. Além do prejuízo estético, pode haver consequências mais sérias, como dificuldade de aprendizado e, em casos mais graves, problemas de alinhamento dentário e duplicidade visual.

A partir do programa exibido na televisão, Lívia e Leonardo resolveram pesquisar as formas de tratamento para o problema. Pela Internet, encontraram a Cranial Care, em São Paulo, que oferecia o serviço. A clínica é a primeira da América Latina a trabalhar com esse diagnóstico e a oferecer o tratamento desde o início deste ano. Até então, o tratamento só podia ser feito no exterior ou por meio de cirurgia.

Apesar de viverem no Rio de Janeiro, a distância não foi obstáculo para que Lívia e Leonardo levassem adiante o tratamento de Miguel. Já na primeira consulta foi confirmado o diagnóstico de plagiocefalia posicional. O tratamento começou com o uso de uma órtese, peça similar a um capacete, que se ajusta à cabeça do bebê mantendo-a na posição correta.

Miguel utilizava a órtese 23 horas por dia, tirando apenas para tomar banho e para a higiene do capacete. De 15 em 15 dias, os pais levavam a criança à clínica para o acompanhamento. Nessas consultas, eram feitos ajustes na peça para que o tratamento seguisse de forma adequada. A rotina de viagens durou quatro meses e, para o alívio dos pais, o tratamento foi concluído na semana passada.


capacete contra assimetria bebê
Capacete não gera nenhum desconforto ao bebê, já que é todo acolchoado e ajustado a cada duas semanas (Foto: Divulgação)


Apesar das dificuldades e do custo, Lívia acredita que valeu a pena. O tratamento custou aproximadamente R$ 10 mil, além das despesas com viagem e hospedagem. A assimetria foi completamente corrigida. “É um valor muito alto mas o resultado foi excelente. Se você olhar hoje, não fala que o Miguel teve que usar o capacete”, comemora a mãe.

Assim como Miguel, cerca de 12% das crianças nascem com algum tipo de assimetria na cabeça. Desse total, 3% merecem algum tipo de intervenção, e o restante regride naturalmente. Além disso, 54% das crianças gêmeas também nascem com assimetrias. Segundo o médico especialista em assimetria craniana e um dos fundadores da clínica Cranial Care, Gerd Schreen, a plagiocefalia posicional pode ocorrer por causa do posicionamento intrauterino, em função de um parto mais complicado e ou na gestação de gêmeos. Após o nascimento, a assimetria também pode se desenvolver pelo posicionamento viciado em uma região da cabeça do bebê, seja na hora de dormir ou pelo torcicolo congênito.


Órtese

O especialista em assimetria craniana Gerd Schreen explica, que ao chegar à clínica, a criança é submetida a uma avaliação que oferece todas as medidas do crânio e revela as assimetrias de maneira exata. Isso é feito por meio de um equipamento que escaneia o crânio do bebê de maneira indolor. Em seguida, as medidas são encaminhadas à Orthomerica, parceira da Cranial Care nos Estados Unidos, que vai criar uma órtese sob medida para a criança. O processo completo, entre envio das medidas e chegada do capacete ao Brasil, leva aproximadamente 15 dias. A partir de então o tratamento é iniciado.

O médico explica também que o capacete não gera nenhum desconforto ao bebê, já que é todo acolchoado e é ajustado a cada duas semanas para se adequar à cabeça da criança. “É bastante comum as pessoas acharem que dói, mas a órtese não traz incômodo à criança. Aliás, elas se adaptam muito bem”. No caso de Miguel, Lívia conta que ele se acostumou muito rapidamente à órtese e sentiu falta quando o tratamento terminou. “O Miguel estranhou quando tiramos o capacete e a gente também, porque agora ele sai correndo e bate a cabeça em tudo. Então até a gente está sentindo falta do capacete”.

Segundo o médico, a duração do tratamento com a órtese para a correção da plagiocefalia posicional varia entre três e cinco meses, de acordo com a idade e o grau de deformidade apresentado pelo paciente. No entanto, é fundamental que a assimetria seja identificada antes de a criança completar um ano e meio, como foi no caso de Miguel. Caso contrário, a órtese não pode mais corrigir a assimetria e, em alguns casos, é necessária a intervenção cirúrgica, que segundo o médico oferece grande risco.

Cranial Care

A clínica foi fundada em fevereiro deste ano e é a primeira da América Latina a oferecer o tratamento com a órtese para casos de plagiocefalia posicional. A iniciativa foi do especialista em assimetria craniana Gerd Schreen, que também teve uma filha com a doença. “O nome da doença era praticamente desconhecido para mim também. Quando veio o diagnóstico, junto com o alívio ao saber que não era nada mais sério, veio também a preocupação de o que fazer com aquilo".

Pela Internet, o médico descobriu o tratamento com a órtese, que até então só era realizado nos Estados Unidos e em alguns países europeus. “Então, fomos ao Estados Unidos para tratá-la. Mudei com a família para lá. Ficava indo e vindo porque tinha que trabalhar”. A partir daí, Schreen decidiu trazer o tratamento para o Brasil e fundou a clínica junto com o advogado Eduardo Aguirre, outro que enfrentou o problema. A clínica já atendeu aproximadamente 70 pacientes.
 
 Bjs à todos,

Raquel  do  Valle

2 comentários:

elly disse...

Nossa que interessante, bem pensado por ele!
ahh Venha participar do sorteio crescenew, conhece a marca?
maravilhosa né?!
http://www.coisasdeladdy.com/2011/09/sorteio-crescenew.html
termino 30/10
se puder divulgue por favor!
bjinhos boa sorte!

Kah Lunay disse...

Tá rolando um sorteio lá no meu blog participe!!http://murodakaah.blogspot.com/2011/09/novo-designmais-primeiro-sorteio.html